MARF: A Bolsa ao alcance das PME portuguesas

A crise financeira internacional levantou grandes dificuldades ao financiamento das empresas portuguesas, sobretudo das Pequenas e Médias Empresas (PME). Noutros países europeus desenvolveram-se alternativas ao financiamento bancário, como é o caso de Espanha, com o Mercado Alternativo de Renta Fija (MARF), da Bolsa de Madrid.

por Daniel Neves, Axesor Portugal

As empresas, particularmente as PME, têm vindo a procurar alternativas ao crédito bancário tradicional, como forma de assegurar a desejável diversificação das suas fontes de financiamento. Criado na sequência da intervenção da União Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional no sistema bancário espanhol, o Mercado Alternativo de Renta Fija (MARF) assume-se, desde 2013, como o mercado de emissão de renda fixa das PME, estando igualmente acessível às empresas portuguesas.
Desde a sua criação, o MARF viu serem admitidos e negociados diversos tipos de emissão em condições competitivas para emissores e investidores – a curto prazo, emissões de papel comercial até dois anos de maturidade, perfazendo quase duas dezenas de emissões, num total de 2,5 mil milhões de euros; a médio e longo prazo, emissões obrigacionistas para as empresas mid-caps (com uma capitalização bolsista de média dimensão), tipicamente entre três e sete anos, totalizando já mais de três dezenas de emissões, num total superior a 3 mil milhões de euros.
Ao invés do observado em Espanha em relação ao MARF, em Portugal temos vindo a assistir a uma total apatia do mercado bolsista português, o qual não oferece oportunidades, nem a emissores, nem a investidores. Numerosas empresas portuguesas têm manifestado interesse em ver a sua dívida cotada no MARF, havendo mesmo uma – a Sugal –, que detém um programa de obrigações cotado, com inegáveis benefícios.
A actividade de rating empresarial aporta uma mais-valia importante às empresas e aos investidores, tendo por benefícios, entre outros, vincular uma opinião independente do risco associado à dívida empresarial. A axesor-rating é líder do MARF, sendo responsável pela atribuição de dezenas de ratings associados a emissões obrigacionistas de PME de origem espanhola e portuguesa.
Temos vindo a assistir à conjugação da procura e da oferta de produtos alternativos ao financiamento bancário tradicional, tendência que se deverá acentuar no futuro, constituindo novos desafios e criando novas oportunidades para as PME. A capacidade, das empresas e dos agentes ligados ao financiamento, de se adaptarem a esta nova realidade constitui um dos principais factores críticos de sucesso do futuro, sendo que o MARF se vem assumindo como um exemplo no desenvolvimento dessas alternativas de financiamento.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Artigos de pele portugueses inspiram campanha
Automonitor
Renault apostada na eletrificação em 2020